Acordo as 4:50 da manhã de um sábado para ir para o aeroporto e a primeira coisa que vejo, depois do despertador, é um email da companhia aérea que diz “Seu voo foi cancelado”. Doeu? Doeu! Mas não foi muita surpresa, já que isso aconteceu durante a greve dos caminhoneiros. Eu sabia que vários voos estavam sendo cancelados e que as chances de acontecer comigo eram grandes. Consigo remarcar o voo para o mesmo horário, com conexão em outra cidade, e lá vou eu para o aeroporto.

Chego no aeroporto às 6:30, duas horas antes do voo, e vou direto fazer o check-in. Tento na máquina de auto atendimento e não consigo. Entro na fila do check in “convencional”. Explico a situação para a atendente e depois de longos 3 minutos sem fazer ideia do que estava acontecendo, ela me diz que não conseguiu encontrar minha reserva.

Lá vou eu para a “loja” da companhia que fica dentro do aeroporto. Depois de me fazer explicar três vezes o que aconteceu, o atendente diz que realmente não tenho reserva em voo nenhum. “Você precisa chegar em Curitiba até um horário específico?”, pergunta ele. “No máximo até as 18h, pois estou indo para um show a noite”, eu respondo. “Ah, ótimo! Tenho um aqui que chega lá às 16h20, ok?”. “Claro, está ótimo.”

Volto para a máquina de auto atendimento e faço meu check in. São 7 horas da manhã. Meu primeiro voo sai ao meio dia. “Podia ter dormido mais”, foi a única coisa que consegui pensar.

Depois de alguns anos gastando todas as minhas poucas economias em viagens, posso dizer que quase me sinto em casa dentro de um aeroporto. Mas vocês já repararam como são grandes as chances de passar perrengues em um local como esse? Voo cancelado, atrasado, conexões longas… O que fazer em situações como essas? Eu já passei por quase todas e selecionei as dicas mais importantes para que você saiba como agir se acontecer com você. Veja só:

O que fazer no aeroporto em conexões longas?

perrengues no aeroporto
Foto: Pexels

Como vocês perceberam na história que contei acima, precisei ficar 5 horas no aeroporto esperando meu voo. E não foi a primeira vez que aconteceu alguma coisa assim. Nessa situação, é importante ter algo que vai te ajudar a distrair, para que o tempo passe um pouco mais rápido.

Nesse dia eu estava com meu computador, então consegui adiantar alguns posts do blog. Também passei um tempo vendo se tinha algo legal no Facebook (não tinha) e comecei a ver uma série que eu tinha baixado do Netflix. Depois fui comer e finalmente fui procurar meu portão para esperar pelo embarque. O que inicialmente seria uma tortura passou até bastante rápido.

Em alguns casos, é possível sair do aeroporto e conhecer a cidade na qual você está fazendo conexão. Mas é preciso que o tempo disponível seja realmente muito grande, para que não haja chances de se atrasar para voltar. Lembrando que quando você sai do aeroporto, na volta é preciso passar pelo raio X e, se for em outro país, pela imigração.

Caso você prefira esperar por ali mesmo, é bom ter um “kit básico de emergência para sobreviver a conexões longas“:

  • Celular com jogos legais;
  • Carregador de celular;
  • Livro;
  • Séries ou filmes que possam ser vistos offline;
  • Snacks ou lanches;

Além disso, você pode aproveitar o tempo para andar pelo free shop ou pelas lojinhas do aeroporto. Mesmo que não pretenda comprar nada, é uma ótima forma de passar o tempo e ver coisas diferentes.

Para evitar ou para conseguir se virar melhor durante um perrengue em um aeroporto internacional, é muito bom ter um chip internacional com internet ilimitada!

Perdi a conexão, e agora?

o que fazer no aeroporto
Foto: Pexels

Perder a conexão pode parecer algo absurdo, mas é mais comum do que parece. Já aconteceu comigo duas vezes e não foi nada legal. A minha dica é não ficar enrolando no aeroporto durante uma conexão. Saia do seu voo, encontre seu portão, verifique se está tudo certo e aí sim vá ao banheiro, procure um lugar para comer ou vá descansar. Mas só faça isso quando tiver certeza que tudo está bem. Porém, em alguns casos você pode perder a conexão por culpa da companhia ou por algum “problema técnico”.

O dia que o voo atrasou e o piloto teve “piriri”

A primeira vez que perdi a conexão foi quando estava voltando do meu intercâmbio nos Estados Unidos. O voo de Nova York para São Paulo atrasou e quando chegamos ao Brasil o avião já havia decolado e era o último que ia para BH naquele dia.

Porém, antes mesmo de desembarcarmos a companhia aérea já havia resolvido tudo. Nos colocaram em outro voo no dia seguinte e reservaram o hotel que dormiríamos naquela noite, com direito a jantar e café da manhã. Só tivemos que sair e pegar o ônibus gratuito do próprio hotel. 

É mais perrengue que você quer? Estávamos tão cansados que não conseguimos acordar com o despertador no dia seguinte. Quando vimos, já estávamos super atrasados e havíamos perdido o ônibus do hotel para o aeroporto. Tivemos que chamar um táxi (nem Uber existia ainda!), pedir para ele parar em um local com caixa eletrônico, já que não tínhamos um real no bolso, e correr para o aeroporto.

Chegamos lá e tiveram que nos passar na frente de todo mundo na fila do checkin. Corremos para o raio X e finalmente conseguimos embarcar, no último segundo. Depois de tanta correria, sabe o que aconteceu? O piloto estava de “piriri” e nós ficamos mais de uma hora dentro do avião esperando resolverem a situação.

O dia que uma taça me fez perder a conexão — ou o dia que as malas demoraram 40 minutos para chegar

Na minha última viagem aconteceu uma situação parecida. Estava voltando do meu mochilão pela América do Sul e, apesar de ter ido somente com a bagagem de mão, tive que despachá-la na volta por causa de duas taças de vidro (e depois descobri que saindo do Chile as regras de bagagem são diferentes, então poderia ter vindo com ela na mão).

Chegando em São Paulo, era obrigatório pegar as malas e despachá-las novamente. Só que, por causa do atraso no voo, nossa conexão teria mais ou menos uma hora. E aí as malas demoraram 40 minutos para aparecer!!

Quando fomos para o balcão despachá-las, faltando 20 minutos, o atendente nos informa que o voo já estava fechado e que não poderíamos embarcar nele. Havia mais umas 20 pessoas na mesma situação, e a resolução foi a mesma da história anterior. Como já era tarde, a companhia nos deu duas sugestões: nos colocar no próximo voo (que era o último do dia) ou remarcar para o dia seguinte. Escolhemos a segunda opção, e passamos a noite em um hotel reservado e pago pela cia aérea. Também ganhamos o transporte até lá, o jantar e o café da manhã.

Cheguei atrasado e perdi o voo, o que fazer?

o que fazer no aeroporto

Minha primeira viagem sozinha foi também a primeira vez que perdi um voo por “minha culpa”. Nesses casos, infelizmente, é preciso contar com a boa vontade da companhia para te colocar em um outro voo sem cobrar nada por isso. Não foi o que aconteceu comigo em uma low cost europeia.

O dia que o transfer não passou

Eu estava em Londres, indo para Bremen, na Alemanha. Reservei um transfer que sairia da estação principal e me deixaria no aeroporto. Peguei um uber até a estação, pois não era nem 5h da manhã ainda. Desci e fui procurar o local onde deveria pegar o tal transfer. Depois de muito procurar e perguntar, encontrei o local.

O tempo foi passando e nada dele chegar. Já havia passado o horário marcado e eu já estava atrasada, entrando em desespero. O mais incrível é que não aparecia ninguém ali esperando o mesmo transfer, eu estava sozinha e nem passou pela minha cabeça que poderia estar no lugar errado.

Até que chegou uma pessoa, quase meia hora depois do horário que eu deveria ter saído, e juntas nós descobrimos que ali realmente não era o local certo — era no outro quarteirão (mas eu juro que estava no endereço indicado no voucher). Enfim, consegui pegar o ônibus seguinte, mas cheguei no aeroporto faltando 30 minutos para o avião decolar.

A fila do raio X estava imensa, e eu tive que sacar dinheiro para pagar para entrar em uma fila mais rápida que a normal. Seguraram minha mala por causa de algum frasco de líquido que estava lá dentro, e depois me liberaram. Ainda tinha que passar pela imigração, que também tinha uma fila absurda, e correr pelo aeroporto inteiro até chegar no meu portão. Fiz tudo isso incrivelmente rápido, mas cheguei só para ver o avião partindo sem mim.

Procurei alguém da companhia e me deram duas sugestões: você pode pegar um voo para a mesma cidade daqui 3 dias, ou pegar um voo para Berlim daqui 3 horas. Decidi ir para Berlim e lá pegar um ônibus até Bremen. Desembarquei, fui na loja da companhia aérea e paguei 100 libras pelo voo (cerca de 600 reais, na época. A passagem do voo que eu perdi não custou muito mais que 50 reais). Tive que passar novamente pelo raio X e, sinceramente, nem me lembro como foi na imigração. No fim, tudo deu certo (menos pro meu bolso)!

Foi depois desse acontecido que eu meu tornei a desesperada do aeroporto. Chegar cedo pode ser chato, mas é muito melhor que perder um voo. É aquele negócio, você sempre vai esperar pelo avião, mas o avião nunca vai esperar por você. Então chegue cedo!!!

Meu voo foi cancelado, o que vai acontecer?

Foto: Pexels

Quando o voo é cancelado, a responsabilidade é toda da companhia aérea. Ela precisa te colocar em outro voo e, em alguns casos, pagar pelos seus gastos com alimentação e hospedagem.

O dia que um problema técnico quase estraga minha viagem para a Disney

Uma vez que isso aconteceu comigo foi durante o intercâmbio. Estava indo da Philadelphia para Orlando, finalmente ia conhecer a Disney! Já estávamos na frente do portão, só esperando o embarque, até que nos informam que por problemas na aeronave o voo teria que ser cancelado.

Eles estavam tentando remarcar os voos para o mesmo dia, mas não caberia todo mundo. Acho que por sermos estrangeiros, eles deram um jeito de nos fazer chegar em Orlando ainda aquele dia. Nos colocaram em um voo de outra companhia, fazendo conexão em uma cidade totalmente fora do caminho, chegando no destino umas 8 horas mais tarde, mas conseguimos chegar.

Se seu voo for cancelado, saiba que a companhia aérea precisa te oferecer todo o suporte necessário e te colocar em outro voo o mais rápido possível, mesmo que seja de outra companhia. Se necessário, também é responsabilidade dela te oferecer alimentação e hospedagem até que você consiga voar. 

Estes foram apenas alguns dos perrengues que já passei em aeroportos, e que me fizeram perceber que tudo vai dar certo (mesmo que dê um pouco errado), mas é preciso ter calma e paciência para conseguir resolver tudo da melhor maneira possível. Agora eu quero que vocês me contem nos comentários qual foi o maior dos perrengues que você já passou por causa de um voo!

Blogagem coletiva: Perrengues de viagens

  1. Destinos por onde andei… – Perdida em Roma, Itália
  2. Gastando Sola Mundo Afora – Um susto no Km 104! – Machu Picchu – Peru
  3. Viagens Invisíveis – Nossos maiores perrengues de viagem

Vai viajar? Faça suas reservas com nossos parceiros!

Fazendo suas reservas com as empresas parceiras, você não paga nada a mais por isso e ajuda o blog a se manter, pois a cada venda nós ganhamos uma pequena comissão. Dessa forma, podemos continuar produzindo conteúdo gratuito e te ajudando a viajar mais e mais! Só indicamos empresas de nossa confiança!
 
Author

Débora, 24 anos, apaixonada por viagens e fotografia. Quanto mais eu viajo, mais eu quero viajar. Quanto mais eu conheço o mundo, mais eu me apaixono por ele...

14 Comentários

  1. Paulo Cattelan Responder

    Realmente não estamos livres de passar por perrengues como esses, mas é fundamental saber como agir em cada situação.

  2. Tb tive perrengue com voo cancelado e quando acontece no início da viagem é pior ainda. Valeu pelas dicas!

    • Débora Resende Responder

      Eu não sei o que acho pior, no começo ou no fim da viagem, rs. No começo é ruim se atrapalha alguma coisa na viagem, mas no fim também é horrível pelo cansaço e vontade de voltar para casa, rs.

  3. ADRIANA MAGALHAES ALVES DE MELO Responder

    Caramba, é muito perrengue para um post só kkkkk. Mas pelo menos você aprendeu a lição de chegar cedo, com muuuuuitas horas de antecedência, pra não ter que passar essa correria, né?

    • Débora Resende Responder

      Siim! Tento chegar umas 2 horas antes, mesmo se for voo nacional. Nunca se sabe o que pode atrasar a gente no meio do caminho, né?

  4. kkkkkkkkkkk, quase tive um treco pra pegar esse voo de SP,e fiquei muito bravo , mas me divirto sempre que lembro do piloto de piriri. kkkkk
    =*

  5. Gisele Prosdocimi Responder

    Oi Débora, morri de rir da situação do comandante com piriri, imagino a cena.
    Já tive um vôo cancelado de Paris para São Paulo nos últimos minutos do segundo tempo e graças à Deus a cia aérea (Air France) nos deu todo os suporte que precisávamos, nos hospedando em um hotel na Eurodisney com transporte e alimentação incluídos.
    Chamo esta experiência de “O dia que fui para a Disney e não encontrei o Mickey”, rsrsrs.
    Chegando ao Brasil solicitei o reembolso devido para vôos internacionais cancelados e em uma semana a cia nos reembolsou 1.200 euros (600 euros por pessoa), porque estávamos eu e meu marido.
    Então foi um perrengue que compensou muito financeiramente, ficamos bastante calmos com todo o apoio da Air France, mas teve gente que deu aquele show no aeroporto. Que vexame!

    • Débora Resende Responder

      Nossa, no fim foi um ótimo perrengue, hein? hehehe Um desses eu nem me importaria de passar! =p

  6. Debora, é uma barra quando essas coisas acontecem ne? Quase perdemos o nosso voo em Madri para Marrakech e imagine com criança pequena? Fica tudo pior! Gostei das suas dicas do kit de emergencia!

    • Débora Resende Responder

      Nem imagino como vou lidar com os perrengues quando tiver minhas crianças, rs. Eu tenho um irmão pequeno, mas nunca passei por perrengues com ele.

  7. Debora, passamos muito tempo para termos problemas am aeroportos, mas quando aconteceu a primeira vez foi uma sucessão inacreditável de coisas, resumindo, tivemos overbooking num voo que foi remarcado para o outro dia, chegamos ao aeroporto e depois de muito troca-troca de portões nosso voo foi cancelado e desse vez sem previsão. Pra finalizar, conseguimos voltar pra casa 5 dias depois, imagine! Isso com nosso filho mais novo, foi um sufoco. E quando chegamos no Brasil não recebemos nenhuma das nossas 5 malas, isso só aconteceu 1 semana depois. O pior foi que depois disso nossos próximos 3 voos em viagens diferentes tiveram pequenos problemas com atrasos, falha na porta do avião antes da decolagem e problemas com carga horária da tripulação. Começamos a virar chacota na família. Mas graças a Deus essa fase passou e não temos problemas em aeroportos há um tempo. Depois dessas somos experts no assunto kkk.

    • Débora Resende Responder

      Meu Deus! Quanto perrengue!Depois a gente ri (e a família ri da gente também, né?), mas imagino o sufoco que vocês passaram =(

Escreva um comentário